China, a transformação digital no varejo é tema de webinar

AddToAny buttons

Compartilhe
12 A 13 ago 20
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Na China, o cliente está no centro das operações. As empresas necessitam saber quem ele é e onde ele está.
Crédito
Freepik

A Fecomércio PR, em parceria com o Sebrae PR realizou ontem (11/08) o Webinar Varejo Digital, com o tema “China, a transformação digital no varejo”, que foi mediado por Erica Cristina Sanches, do Sebrae PR. A transmissão pela página do Sebrae PR no Youtube foi gratuita ao público.

O debate contou com a participação do engenheiro, empresário e presidente do Conselho de Administração do Sicoob Metropolitano, Luiz Ajita, e da empresária e especialista em processos chineses de inovação tecnológica e transformação digital, Caroline Zurakowski.

A live abordou temas como New Retail – um conceito além de agregar diferentes canais de venda em uma plataforma tecnológica -, empresas chinesas de market place, e social score, uma espécie de crédito social digital.

“Costumo dizer que se a experiência do consumidor está melhorando é New Retail. Em contrapartida, o comércio digital também precisa desempenhar. Trazer seus clientes do simples ato da compra ao entretenimento. Uma tendência hoje é o consumo em coprodução, de maneira interativa, por meio de um marketing que estabeleça diálogo contínuo e interativo”, pontuou Caroline.

Ajita contou suas experiências com a tecnologia do comércio chinês, vivenciadas quando foi ao fim do ano passado àquele país, um dos mais inovadores do mundo. “A personalização sempre custou caro. Hoje a China tem condições de praticar essa tendência e ainda baixar custos. Também trabalham sob o conceito de que conexão não é só tecnologia, mas sim emocional, pois precisamos atingir os corações do cliente”.

Xangai – o cliente no centro das atenções

Vivendo em Xangai há dois anos, Caroline inicialmente pesquisou sobre o relacionamento entre EUA e China, enquanto potências de disputa pela liderança. Mudou de país para conhecer o idioma e as empresas e hoje também se tornou empresária. “Percebi que a customização individual e ao mesmo tempo em massa possibilita a experiência de compra integrada e personalizada. Na China, o cliente está no centro das operações. As empresas necessitam saber quem ele é e onde ele está. Então, a aposta é tratar a venda não mais como uma transação monetária, mas como uma diversão ao cliente”, comenta.

Para isso, ela aconselha que os empresários devem estar atentos a tornar suas interfaces dinâmicas e interativas em ambientes virtuais e físicos. O vendedor deve ser uma espécie de consultor, trabalhar ao serviço do cliente com o apoio da tecnologia e do marketing digital. Assim, consegue analisar dados e atuar de forma próxima ao cliente satisfazendo seus desejos.

Os pagamentos – sem papel, sem cartão

Os pagamentos tornaram-se mais práticos, por meio de carteiras digitais. “Não vemos muito dinheiro de papel e cartão de crédito por aqui. A maioria das compras ocorre sem atritos, por reconhecimento facial ou QR Code ou aplicativos”, conta Caroline. Ajita comentou que essa tendência no Brasil vem eliminar as maquinetas de balcão e as altas taxas de administração pagas pelo empresário.

Na era em que os dados do cliente são a nova fonte de riqueza, os investimentos em social media são intensos. Ao alimentarem bases de inteligência artificial, estes dados são ferramentas aos empresários. Pelas redes sociais digitais, podem ocorrer ofertas personalizadas e impulsionar vendas. Os vídeos curtos, interativos e a gamificação complementam as apostas da dinâmica do varejo chinês.

Leia mais no site da Fecomércio PR.