15 A 16 mai 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.

A CNC realizou, em 28 de março, o workshop Prática de Negociação Coletiva. O workshop abordou a vivência, a abordagem e os fundamentos jurídicos das negociações coletivas, além de tratar sobre a segurança jurídica necessária para a construção da pauta patronal.

25 A 26 jun 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Delegação do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac-RO em Pimenta Bueno
Delegação do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac-RO em Pimenta Bueno
Crédito
Fecomércio-RO

O Senac e o Sesc atuam há mais de quatro décadas em Rondônia. Administrada pela Fecomércio Rondônia, sob a administração do presidente do Sistema Fecomércio e vice-presidente da CNC, Raniery Araújo Coelho, uma comitiva de diretores realizou em junho visitas aos prefeitos e vereadores dos municípios de Vilhena, Pimenta Bueno, Cacoal, Presidente Médici, Ji-Paraná, Ouro Preto do Oeste, Jaru, Ariquemes e Porto Velho, com o objetivo de reforçar a parceria com o poder público e destacar as ações realizadas pelo Sistema, bem como sua importância para a sociedade rondoniense. “Foi uma oportunidade única de apresentar nossos serviços e principalmente de mostrar nossa importante contribuição em prol do desenvolvimento social e econômico de Rondônia”, diz Raniery.

O Senac, por exemplo, atua no estado desde 27 de maio de 1976 e tem como missão educar para o trabalho em atividades de comércio de bens, serviços e turismo. Ao todo, são sete escolas de educação profissional e três carretas móveis. A instituição desenvolve atividades nos Eixos Tecnológicos de: Saúde, Ambiente e Segurança, Informação e Comunicação, Produção Cultural e Design, Hospitalidade e Lazer, Gestão e Negócios, cursos de programações presenciais e à distância, atendendo também a população com renda familiar de até dois salários mínimos através do Programa Senac de Gratuidade (PSG), com mais de 50% dos cursos ofertados. Outro programa lançado este ano e que pretende capacitar ainda mais o público que trabalha com vendas é o Senac Comércio, com mais de 100 títulos de cursos. “Nossos serviços e atendimentos à população só crescem, prova disso foi no ano passado, quando matriculamos mais de 20 mil alunos em 1.656 cursos técnicos e 2.452 cursos de aprendizagem”, ressalta Raniery.

Já o Sesc foi instalado em Rondônia em 4 de julho de 1976 e está presente em cinco municípios. Ao todo, são nove unidades operacionais e duas unidades móveis (BiblioSesc), que atendem mais de dois mil alunos na educação infantil, fundamental e educação de jovens e adultos.  “Em 2018 foram efetuadas mais de 40 mil matrículas, destas 23.964 de comerciários e dependentes e 20.568 da comunidade em geral. Também realizamos mais de três mil inscrições gratuitas em palestras e oficinas culturais. Além é claro, do Programa Saúde que totalizou mais de 920 mil ações e o Mesa Brasil que conseguiu ajudar mais de 10 mil famílias com a arrecadação de 492 kg de alimentos”, destaca Raniery.

Tantas ações e serviços realizados reafirmam o compromisso do Sistema Fecomércio por meio do Sesc e Senac com os rondonienses. “Nossa atuação comprova isso. É um trabalho de mais de quatro décadas que só tende a aumentar, visto que o Sistema Fecomércio busca inovar e estar presente cada vez mais no nosso estado, proporcionando aos comerciários e a toda a população mais educação, saúde, cultura e lazer e capacitação profissional”, afirma Raniery.

24 A 25 jun 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Fecomércio-PR recebe comitiva de Bangladesh
Fecomércio-PR recebe comitiva de Bangladesh
Crédito
Fecomércio-PR

A Fecomércio-PR recebeu, no dia 17 de junho de 2019, uma delegação de Bangladesh. O encontro faz parte de uma série de reuniões que a comitiva faz no Paraná para conhecer mais o estado, estreitar laços e aumentar as relações bilaterais.

Durante o encontro, o presidente do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac-PR e vice-governador do Paraná, Darci Piana, explicou sobre o funcionamento do Sesc e do Senac, sobre o atendimento à população e ao empresariado e, principalmente, sobre as possibilidades de comércio que o Paraná oferece. “Estamos abertos para ajudar em tudo o que for preciso para aumentar as importações e exportações”, afirmou Piana, que também é vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Já o embaixador da República Popular de Bangladesh no Brasil, Zulfiqur Rahman, agradeceu ao presidente pelos esclarecimentos e disse que seu país ainda é pouco conhecido no Brasil, mas que há a intenção de mudar esse cenário. “É uma oportunidade ímpar poder ser recebido por alguém que pode falar tanto pelo governo, quanto pelo comércio. Viemos ao local certo”, declarou.

Estiveram presentes na reunião o diretor da Câmara de Relações Internacionais da Fecomércio-PR, Rui Lemes; o cônsul honorário de Bangladesh em Curitiba, Marcelo Grendel Guimarães, a embaixatriz Shameem Akhter; a consulesa Claudiana Chiarello; a conselheira política e chefe de chancelaria de Bangladesh, Samia Israt Ronee; a assistente do embaixador, Livia Campos; e o assessor de Relações Internacionais da Fecomércio-PR, Rodrigo Schmidt.

 

 

24 A 25 jun 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Empresários paulistanos estão com estoques baixos
Empresários paulistanos estão com estoques baixos
Crédito
Gecom/CNC

O Índice de Estoques do comércio paulistano, medido pela Fecomércio-SP, sofreu queda de 1,7% em junho – 119,1 pontos, ante os 121,1 pontos de maio. Já em relação ao mesmo período do ano passado, houve alta de 11,2%. A proporção dos que consideraram seus estoques adequados caiu apenas 1% – de 60% em maio para os atuais 59,4%. Contudo, na comparação com o mesmo mês de 2018, obteve alta de 6,1 pontos porcentuais, quando a porcentagem era de 53,3%.

De acordo com a Federação, a queda do índice se deu pela elevação mensal da proporção de comerciantes com estoques baixos. O que significa que apesar da lentidão nas vendas, devido às instabilidades política e econômica pelas quais o País passa, os empresários têm apresentado comportamento conservador e se adaptado aos momentos de adversidade. Esse resultado é melhor do que se apontasse estoques altos, pois mercadorias paradas são mais custosas.

Assim, houve queda no levantamento de empresários que declararam ter excesso de estoques – de 27,5 em maio para 26,5 em junho, diferença de – 0,9 ponto porcentual. E para os que consideram ter estoques baixos: alta de 2,2 pontos porcentuais em relação ao mês anterior, de 11,6% em maio para os atuais 13,7%. Os números estão bem próximos dos registrados na pré-crise, antes de 2014, quando 60% dos comerciantes tinham estoques adequados, 25% afirmavam ter estoques acima e 15% abaixo do adequado.

Os dados são levantados pela Fecomércio-SP e captam a percepção dos varejistas sobre o volume de mercadorias estocadas nas lojas, variando de 0 (inadequação total) a 200 pontos (adequação total). A marca dos 100 pontos é o limite entre inadequação e adequação.

Segundo a entidade, agora os empresários precisam estar mais atentos à logística para que não falte mercadorias, o que pode ocasionar perdas de vendas e até de clientes. Para a Fecomércio-SP, com os projetos políticos encaminhados, pode ser que ocorra, no segundo semestre, início de um ciclo de recuperação econômica, com o aumento do índice de confiança de consumidores e empreendedores; contudo, resultados concretos devem ser vistos apenas em 2020.

24 A 25 jun 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
FBHA participa do lançamento da Frente de combate ao contrabando
FBHA participa do lançamento da Frente de combate ao contrabando
Crédito
Gecom/CNC

A superintendente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), Camila Beraldo, participou em 18 de junho de 2019 do lançamento da Frente Parlamentar Mista de Combate ao Contrabando e à Falsificação, na Câmara dos Deputados, em Brasília, representando a Federação.

Além do lançamento da Frente, foi apresentado pelo presidente da Frente Parlamentar, deputado federal Efraim Filho (DEM-PB), um projeto de lei que pretende aumentar o rigor para impedir a venda de produtos contrabandeados. Segundo os parlamentares que integram o grupo, o Brasil perde cerca de R$ 100 bilhões anualmente com o contrabando. Fora o impacto negativo na arrecadação do País, a prática afeta a estabilidade de diversos setores econômicos, compromete a geração de empregos e também a segurança dos cidadãos.

A Frente tem entre seus objetivos definir e apresentar propostas de novas leis para o combate efetivo a esses crimes, cobrar do poder público a execução de ações firmes e imediatas para reduzir o problema e levar a discussão sobre esses temas para toda a sociedade.

19 A 20 jun 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Comércio fluminense mais confiante em junho
Comércio fluminense mais confiante em junho
Crédito
Gecom/CNC

A pesquisa Visão da Economia, realizada pela Fecomércio-RJ, revela que, em junho, 48,9% dos empresários disseram estar confiantes ou muito confiantes com a economia brasileira para o próximo mês, contra 46,4% registrados no mês anterior. O aumento do otimismo também foi verificado em relação à economia fluminense. Embora sempre em menor nível que o otimismo revelado no cenário econômico brasileiro, o percentual de otimistas com a economia fluminense para o próximo mês cresceu de 38,3% verificado em maio, para 41% do mês corrente.

O otimismo para os próximos três meses repetiu o crescimento verificado para o otimismo de curto, anotando variação ainda mais positiva. Para o Brasil, 58,50% estão confiantes ou muito confiantes para os próximos três meses, aumento de 7,4 p.p. diante do mês anterior. Para o Rio de Janeiro, a confiança aumentou 7,1 pontos percentuais e atingiu 51,5%.

O aumento da confiança se refletiu sobre as perspectivas que os empresários fazem a respeito dos resultados futuros de faturamento e número de empregados. Em maio, os empresários esperavam um crescimento de 0,9% do faturamento em três meses; em junho, o aumento esperado subiu para 3,5%. Também em maio, os empresários calculavam que o número de empregados se reduziria em 4,5% em três meses; em junho, a redução esperada diminui para 3,7%.

Para a Fecomércio-RJ, o crescimento da confiança pode ser reputado à diminuição dos ruídos econômicos produzidos pelo governo, como o que aconteceu em decorrência do congelamento do reajuste do preço do diesel da Petrobras em meados de abril.  Os fatos políticos e econômicos que acontecem no presente exercem importância relativa maior na formação das expectativas dos empresários para o próximo mês do que para a formação das expectativas para meses mais distantes. Portanto, a desaceleração do ritmo da atividade contribuiu para o crescimento mais moderado das expectativas para o próximo mês.

19 A 20 jun 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Senac-RS é reconhecido como uma das melhores empresas para as mulheres trabalharem
Senac-RS é reconhecido como uma das melhores empresas para as mulheres trabalharem
Crédito
Gecom/CNC

O Senac do Rio Grande do Sul está entre as melhores empresas para as mulheres trabalharem no Brasil, segundo o ranking da GPTW Mulher, anunciado no incio de junho, em São Paulo. No total, 444 empresas brasileiras se inscreveram para o prêmio, sendo 55 reconhecidas.  O Senac-RS ocupou a 17ª posição entre as empresas de grande porte. 

Os critérios para participação no ranking do Great Place to Work® Melhores Empresas para Trabalhar – Mulher incluem número mínimo de 100 funcionários, sendo o mínimo de 15% de mulheres em cargos de gestão e 15% no quadro geral. No caso do Senac-RS, os números foram além do mínimo indicado. No total, a instituição conta com 65% de mulheres no seu quadro – dos 1851 colaboradores, 1216 são do sexo feminino. A maioria dos cargos de gestão também são ocupados por mulheres – 72% ao total.  

O resultado também leva em conta o Questionário ForAll aplicado com os colaboradores e colaboradoras, com questões relacionadas ao tema diversidade de gênero. De forma geral, o prêmio reconhece as companhias com melhores práticas para garantir o avanço das mulheres ao longo de suas carreiras, e que incentivam a liderança feminina. Na avaliação, a consultoria leva em conta fatores como ambiente de trabalho, promoções, participação na tomada de decisões e até rotatividade voluntária.

 

18 A 19 jun 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Sesc-RJ divulga destaques da programação musical do Festival de Inverno
Sesc-RJ divulga destaques da programação musical do Festival de Inverno
Crédito
Sesc-RJ

O Sesc-RJ divulgou esta semana alguns destaques da programação musical do Festival Sesc de Inverno 2019, que acontece de 19 a 28 de julho nos municípios Petrópolis, Teresópolis, Nova Friburgo, Duas Barras e Três Rios. Entre os confirmados estão Titãs, Anavitória, Vanessa da Mata, Elza Soares, MV Bill (Petrópolis), Fernanda Abreu, Maneva, Zeca Baleiro, Projota (Teresópolis), Beto Guedes, Cidade Negra, Guilherme Arantes (Nova Friburgo), Martinho da Vila (Duas Barras), Mart’nália (Três Rios), Zélia Duncan (Três Rios e Teresópolis) e o trio Chico Chico, João Mantuano e Daíra (Três Rios, Petrópolis e Nova Friburgo). A programação completa será divulgada ainda este mês.

Reconhecido como um dos mais expressivos e importantes festivais de arte e cultura do país, o Festival Sesc de Inverno contempla atrações nas principais linguagens artísticas: literatura, cinema, música, teatro, dança, circo e artes visuais. Além dos nomes conhecidos na cena cultural brasileira, a programação conta com maior participação de artistas locais, que nesta edição assumem mais protagonismo, sendo suporte para o mote do evento, que trata de territórios e identidade regional.

Novidades

Tradicionalmente realizado em Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis, o evento será ampliado nesta edição de 2019 para os municípios de Três Rios e Duas Barras. Já a programação de Nova Friburgo será estendida pela primeira vez para os distritos de Lumiar e São Pedro da Serra, dois importantes polos turísticos da região.

18 A 19 jun 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Economista da CNC fala sobre spread bancário em evento da FIEB
Economista da CNC fala sobre spread bancário em evento da FIEB
Crédito
Fecomércio-BA

A Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB) promoveu, no dia 14 de junho de 2019, em Salvador, o seminário Spread Bancário no Brasil, que contou com a participação de especialistas e empresários da indústria e do comércio. O evento foi uma iniciativa da FIEB e da Fecomércio-BA, com o apoio da Rádio BandNews FM.

Durante o evento, o presidente da Fecomércio-BA, Carlos de Souza Andrade, ressaltou que as altas taxas de juros cobradas afetam o desenvolvimento do país. “O spread torna o exercício de criar uma empresa, seja no comércio ou na indústria, uma experiência difícil. Não há como se desenvolver com esse spread abusivo”, disse. Já o presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), Ricardo Alban, cobrou uma maior contribuição do setor financeiro ao novo ciclo de desenvolvimento econômico que precisa acontecer no país. Isso passaria, na avaliação do presidente, pela redução dos custos do crédito, uma vez que, entre as maiores economias do mundo, o Brasil é o país com o maior spread bancário, com uma taxa anual de 38,4%.

Convidado para o evento, o economista Fabio Bentes, da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC),  falou sobre o impacto do spread brasileiro no comércio. Segundo ele, o consumidor final, ao comprar um produto a prazo, é obrigado a pagar taxas de juros muito elevadas. “Isso faz com que a capacidade dele de zerar essa dívida e voltar a consumir seja muito reduzida”, explicou. Para o economista da Confederação, o grande problema do spread é que ele desvia recursos do setor produtivo, que emprega mais, para o setor financeiro. “A gente vive hoje ainda uma crise de emprego no Brasil. Daí a importância de se tentar, pelo menos, diminuir o prejuízo provocado por spreads tão altos”, destacou.

18 A 19 jun 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Grupo de Meio Ambiente da CNC conhece usina fotovoltaica da Aneel
Grupo de Meio Ambiente da CNC conhece usina fotovoltaica da Aneel
Crédito
Paulo Negreiros

Com objetivo de disseminar a política de eficiência energética para o comércio, como uma alternativa sustentável para redução de custos, o Grupo Técnico de Trabalho sobre Meio Ambiente (GTT-MA) visitou, no dia 13 de junho, a usina fotovoltaica implantada na sede da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), em Brasília.

A ação fez parte da 17ª reunião do GTT-MA, coordenada pela Assessoria de Gestão das Representações (AGR), da Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (CNC), e ocorreu após a palestra da engenheira eletricista e coordenadora do Programa de Eficiência Energética (PEE) da Agência, Sheyla Maria das Neves Damasceno. A atividade foi acompanhada pelo diretor CNC, Marco Aurélio Sprovieri Rodrigues.

A visita ao edifício sede da ANEEL, onde estão instaladas as placas solares, mostrou aos membros do grupo a viabilidade de uma usina fotovoltaica em instalações comerciais. São três blocos que utilizam essa tecnologia, empregando 1.700 módulos e 18 inversores. As placas são constituídas por uma caixa externa de alumínio, pesam cerca de 20 quilos e custam, em média, de R$ 10 a R$ 20 mil cada.

Para desenvolver este projeto de eficiência energética e geração distribuída, foi necessário um diagnóstico energético estimando o potencial de economia e de geração de energia elétrica. A economia de energia foi obtida a partir da troca dos equipamentos de iluminação e ar condicionado existentes por outros energeticamente mais eficientes.  

Já o potencial geração solar fotovoltaica foi obtida a partir de um projeto básico que levou em conta a área do telhado da Agência, o sombreamento, a localização geográfica da planta e a sazonalidade do ângulo e da intensidade da incidência do sol. Na visitação foi possível ver as placas instaladas, mais os retrofits (mudanças nos sistemas) da iluminação e ar condicionado, o que gerou redução do consumo de energia elétrica e de custos operacionais da ANEEL, bem como incentivou a mudança de hábitos dos funcionários. “As empresas que desejam fugir das variações dos preços das contas de luz podem mudar a fonte de energia, da elétrica para a solar. E esta visita possibilita ao nosso grupo de trabalho divulgar, por meio das federações em seus estados, a política de eficiência energética. A CNC acredita neste incentivo sustentável sempre através de bons exemplos e boas práticas”, ressaltou a chefe da AGR, Wany Pasquarelli.

Programa de Eficiência Energética

Antes da visita, Sheyla apresentou o Programa regulado pela ANEEL, que determina às grandes concessionárias de distribuição de energia elétrica do País investir 0,4% de sua receita operacional líquida em projetos de eficiência energética. Destacou ainda outras iniciativas voltadas à eficiência energética existentes no país, tais como Programa Brasileiro.

As chamadas públicas dão transparência a esse processo e oportunizam aos diferentes segmentos (industrial, residencial, comercial, iluminação pública e rural) recursos para projetos de eficiência energética, sob a ótica da relação custo x benefício (RCB) e na amplitude dos resultados dos sistemas energéticos eficientizados, incluindo também projetos educacionais voltados à mudança de consumo e hábito.

Para consumidores com fins lucrativos, o recurso é utilizado mediante um contrato de desempenho. O programa custeia o total para realizar o projeto e o consumidor beneficiado pagará com o desempenho do próprio projeto.

“A medida que ele vai economizando, diminuindo a conta de energia no final do mês, vai amortizando a dívida que adquiriu junto à distribuidora local. A vantagem é que o consumidor não tira um centavo do bolso“, explicou Sheyla, lembrando que a finalidade desse recurso é incentivar o mercado de eficiência energética, por isso não são cobrados juros, apenas correção monetária.

Números gerais

O 0,4% da receita operacional líquida de todas as distribuidoras participantes representa cerca de R$ 500 milhões ano. Já foram investidos R$ 5,7 bilhões para cerca de 4.000 projetos, com retirada de demanda na ponta de 2,3 GW e economia de energia acumulada no período de 46 TWh.

“Hoje é mais barato para o País economizar energia do que expandir um sistema, porque a tarifa reflete um custo marginal de expansão: geração, transmissão e distribuição. É melhor investir em eficiência energética, sem contar a redução dos impactos ambientais provenientes da expansão”, finalizou Sheyla.